Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, 12ª Semana de Ciência e Tecnologia do CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
ESTUDO TEÓRICO DE CLUSTERS DE ALÚMINIO-MAGNÉSIO ATRAVÉS DE UM ALGORÍTIMO GENÉTICO
Breno Rodrigues Lamaghere Galvão, Mateus Augusto Martins de Paiva

Última alteração: 2016-08-19

Resumo


Nos últimos anos, nanoclusters têm atraído grande atenção científica devido à suas potenciais aplicações tecnológicas. Cluster mistos, ou seja, aglomerados com dois ou mais átomos, podem mudar suas propriedades se comparados com cluster puros, apenas mudando sua composição. Neste trabalho a estrutura e propriedade de diferentes composições de clusters de alumínio e magnésio são investigadas teoricamente. As estruturas são otimizadas por um algoritmo genético aplicado à um potencial empírico tipo Gupta. Os resultados mostram uma tendência dos átomos de alumínio se localizarem no centro das estruturas, enquanto os átomos de magnésio são segregados para superfície. O núcleo de alumínio tende a formar um icosaedro, principalmente com clusters de 13 átomos. Na literatura é de fato mostrado que clusters de alumínio com 13 átomos possuem a forma simétrica de um icosaedro, enquanto clusters puros de magnésio não apresentam uma alta simetria. Também é possível notar outras formas adquiridas pelos núcleos de alumínio, com geometrias piramidais e bipiramidais para clusters com mais de 15 átomos. Através da comparação da energia entre os clusters mistos com o puros, nota-se que clusters com 40% de alumínio em sua composição são os mais estáveis de acordo com o conceito de energia de excesso.

Palavras-chave


Nanoclusters. Algoritmo genético.