Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, 13ª SEMANA DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA 2017 - CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
Avaliação das interferências de ferro e carbono residual na determinação de cromo por espectrometria de absorção atômica em chama
Leonel da Silva Teixeira, Flávia Regina de Amorim, Marden Augusto Viana de Morais

Última alteração: 2017-09-04

Resumo


O elemento cromo pode contaminar rios, lagos, solos e até alimentos. Dessa forma, a determinação desse elemento em diversos tipos de amostras faz-se necessário para prevenir intoxicações e evitar contaminações dos diversos meios. Uma das principais técnicas empregadas para a determinação de cromo é a espectrometria de absorção atômica em chama, no entanto, a presença de ferro e carbono residual na solução da amostra pode afetar a confiabilidade dos resultados quando utilizamos o método de calibração externa. Assim, o trabalho tem como objetivo avaliar tais interferências com o intuito de encontrar maneiras que minimizem ou eliminem os efeitos indesejáveis. Para tal, os sinais de absorvância de diferentes soluções de Cr na presença dos interferentes foram medidos, empregando chama do tipo ar/acetileno, e comparados com o sinal de absorvância da solução que continha somente o Cr. Posteriormente, o cloreto de alumínio foi testado como um possível atenuador da interferência de Fe. A partir dos resultados obtidos, constatou-se que o sinal de absorvância aumenta na presença do etanol e reduz na presença de Fe e glicose. Foi observado que a adição de cloreto de alumínio nas soluções atenuou a interferência do Fe. Assim, conclui-se que a adição de cloreto de alumínio e etanol, nas soluções da curva de calibração externa e nas soluções da amostra, pode atenuar as interferências do Fe e do carbono residual, aumentando a sensibilidade e exatidão do método.

Palavras-chave


Cromo. Interferência. Espectrometria de absorção atômica.