Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, 15ª Semana de Ciência & Tecnologia 2019 - CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE DAS TECNOLOGIAS DE GOVERNO E DA SUBJETIVAÇÃO NAS PRÁTICAS DISCURSIVAS DO PROJETO DO NOVO ENSINO MÉDIO
Matusalém de Brito Duarte, Eduardo Antônio Santos Machado, Cristopher de Castro Perdigão

Última alteração: 2019-09-05

Resumo


Após inúmeras mudanças, ao longo do século passado e do atual, no desenho do Ensino Médio, em setembro de 2016, foi promulgada a Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016, instituindo a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral e anunciada a reforma do Ensino Médio pelo MEC. O caráter emergencial e necessário, apontados pelo governo, tido por muitos como “ilegítimo”, e as mudanças apresentadas, têm sido apontadas por vários especialistas como nefastas com relação à qualidade do ensino. Neste sentido, este projeto teve como objetivo geral analisar as práticas discursivas nas tecnologias de governo, utilizadas para inserção no imaginário social da emergência e necessidade de implementação das reformas para o Novo Ensino Médio. A partir de teóricos como Charaudeau e Foucault, foram avaliados o material de divulgação do projeto, os documentos legais e um vídeo de propaganda do Novo Ensino Médio, disponível no Youtube e amplamente divulgado nos meios de comunicação de massa. As principais conclusões verificadas foram: o uso de termos de efeito como “futuro” e “liberdade” no projeto, direcionados aos jovens e slogans de efeito foram usados, reduzindo a importância do institucionalizado na educação. O uso do conceito da autonomia como a liberdade pessoal de escolha pelo caminho profissional do jovem, acaba por retira do Estado e escola o papel de planejadores da educação, como se essa fosse apenas definida por escolhas pessoais.

Palavras-chave


Educação. Novo Ensino Médio. Tecnologias da subjetivação.