Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, 15ª Semana de Ciência & Tecnologia 2019 - CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
NANOCOMPÓSITOS BIODEGRADÁVEIS A PARTIR DE BLENDAS DE ÁLCOOL POLIVINÍLICO E HIDROXIPROPILMETILCELULOSE UTILIZANDO NANOPARTÍCULAS DE SÍLICA
Mario Guimarães Junior, Lorena Marielli Silva Ferreira

Última alteração: 2019-08-30

Resumo


A crescente demanda por materiais sustentáveis tem impulsionado o avanço da nanotecnologia em vários setores produtivos. A utilização de nanocompósitos, por meio de blendas biodegradáveis, reforçadas com nanoestruturas orgânicas é uma alternativa promissora às indústrias de embalagens flexíveis. Neste sentido objetivou-se produzir nanocompósitos a partir de blendas com álcool polivinílico (PVA) e hidroxipropilmetilcelulose (HPMC) em três combinações (10:90; 50:50 e 90:10), reforçadas com nanosílica (NAS). Concentrações de 3,5 e 1% (m/m) de PVA e HPMC, respectivamente, e 1% (m/m) de NAS, em relação a massa seca de polímeros, foram preparadas. Propriedades física de solubilidade em água (SOL), taxa de permeabilidade ao vapor de água (TPER), sorção ao vapor de água (SOR) e mecânicas de tração, foram avaliadas para verificar a influência dos polímeros na formação da blenda e da nanosílica na formação do nanocompósito. A blenda 10:90 (HPMC:PVA) foi a única a ser formada por questões de miscibilidade. A inserção de 1% de nanosílica reduziu os valores de SOL, TPER e SOR dos nanocompósitos, em cerca de 33, 39 e 29%, nessa ordem, em relação a blenda sem reforço. A adição de PVA ao HPMC produziu blendas 600% mais flexíveis em relação ao HPMC com uma redução de apenas 29% no valor da tensão de ruptura. A nanosílica aumentou a flexibilidade da blenda em cerca de 65% tornando o nanocompósito mais dúctil e tenaz, sem, contudo, alterar significativamente seu valor de tensão na ruptura.

Palavras-chave


Nanocompósitos. Embalagens flexíveis. Nanosílica. Sustentabilidade.