Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, 15ª Semana de Ciência & Tecnologia 2019 - CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
COMPORTAMENTO DE ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM AREIA RECICLADA E PÓ-DE-PEDRA: ESTUDO DE CASO
Mag Geisielly Alves Guimarães, Denise de Carvalho Urashima, Henrique Comba Gomes

Última alteração: 2019-08-19

Resumo


A preservação dos recursos naturais e a busca pela sustentabilidade tem despertado o interesse de pesquisadores visando obter recursos reutilizáveis, por exemplo, o uso de pó-de-pedra e de resíduos de construção e demolição (RCD’s). O objetivo da pesquisa foi analisar dosagens de argamassas a partir de agregados RCD’s e pó-de-pedra em comparação com areia natural média, visando a substituição total em traços de 1:1:6 e 1:2:8. Estes foram convertidos em massa e teores de água/materiais secos ajustados para trabalhabilidade de 260 +/- 5mm. Densidade de massa nos traços 1:1:6 e 1:2:8 foram maiores para pó-de-pedra (2,27 e 2,22 g/cm3) do que em areias natural (1,94 e 1,93 g/cm3) e RCD (1,95 e 1,88 g/cm3). Teores de ar incorporados foram maiores para RCD’s (46,63 e 47,93%) do que nas areias natural (45,16 e 44,10%) e pó-de-pedra (42,15 e 44,12%). Retenções de água pelo funil de Büchner foram maiores que 90% em todos os traços e os RCD’s obtiveram maiores resultados, sendo 1:1:6 (93,1%) e 1:2:8 (94,8%). Resistência à compressão média (MPa) para traço 1:1:6 aos 7 dias (natural: 0,59; RCD: 1,87; pó-de-pedra: 2,06) e 14 dias (natural: 2,53; RCD: 3,67; pó-de-pedra: 4,43). Os resultados indicam a viabilidade do uso de agregados alternativos em argamassas para revestimento e a pesquisa almejou a quebra de paradigmas do reuso de RCD’s e pó-de-pedra como agregados, minimizando o uso de areia natural que é um recurso cada vez mais escasso e cuja extração também causam impactos ambientais.

Palavras-chave


Argamassas. Resíduos construção civil. Pó-de-pedra. Impactos Ambientais.