Portal de Administração de Conferências - CEFET-MG, XI Semana de Ciência & Tecnologia 2015 - CEFET-MG

Tamanho da fonte: 
Análise da qualidade de amostras da erva medicinal Camellia sinensis comercializadas em mercados de Belo Horizonte-MG
Fátima de Cássia Oliveira Gomes, Ana Maria Resende Machado, Joyce Castro de Menezes

Última alteração: 2015-09-03

Resumo


O chá produzido a partir da Camellia sinensis, é considerado a segunda bebida não alcoólica mais consumida no mundo, o que pode tornar seu uso um problema de Saúde Pública, visto que essa alta demanda vem associado à falta de fiscalização efetiva. O presente estudo teve como objetivo analisar a qualidade de amostras de chá verde comercializadas em Belo Horizonte, por meio de análises de rotulagem, físico-químicas (umidade e cinzas) e microbiológicas (mesófilos totais, bolores e leveduras, Escherichia coli, e presença/ausência de Salmonella spp). As análises mostraram que 93% das amostras não continham todas as informações exigidas pela legislação nos rótulos, além da alta presença de material estranho. Para o teor de umidade e cinzas, estavam de acordo com a legislação brasileira 80% e 100% das amostras, respectivamente. Os valores de bactérias mesófilas, bolores e leveduras estavam dentro do limite estabelecido em sua maioria, além da ausência de Salmonella. Porém, a quantidade de E. coli acima do valor máximo permitido, torna as amostras impróprias para consumo.

 


Palavras-chave


Chá verde. Análises. Qualidade.